Daemon Pessoal

Desconhecido por muitos profissionais da área de criação, o Daemon Pessoal pode ser um recurso precioso para fugir à mesmice do processo criativo.

Significado:

jinni = daemôn = daimon = daemon = gênio = génio = djinni = génie

Eudaimon que personifica a boa sorte, mosaico de Antioquia, c. 2 AD.

O termo “daemôn” é traduzido do latim como gênio pessoal, usado por Sócrates quando ao contrário de seus colegas sofistas não abriu escola assim como não cobrou dinheiro por seus ensinamentos. Ele dizia que apenas falava em nome do seu “daimôn”, do seu gênio pessoal.

“Há uma musa (tradicionalmente, as musas são mulheres, mas a minha é homem, receio que teremos de viver com isso), mas ele não chegará voando ao local em que você escreve ou jogará pó de fadas criativo por cima da máquina de escrever ou computador. Ele vive no subsolo. Ele é um cara do porão. Você tem que mobiliar um apartamento para ele morar. Em outras palavras, você terá de fazer todo o trabalho duro enquanto a musa relaxa, fuma charutos, admira sua coleção de troféus de boliche e finge ignorá-lo. Você acha que isso é justo? Eu acho que é. Talvez essa musa masculina não tenha a aparência muito boa, e talvez não seja uma pessoa muito sociável (o que consigo obter da minha é, sobretudo, uma série de resmungos ríspidos, a menos que esteja em serviço), mas ele tem a inspiração. É claro que você deve fazer todo o trabalho e queimar todo o gás da noite só porque o cara com o charuto e duas asinhas comprou um saco cheio de mágicas. Há coisas ali que podem mudar sua vida. Acredite, eu sei.” – Stephen King

Irei usar aqui o meu preferido nome para este parceiro especial – daemon.

Para não espiritualizar esta nota, digamos que o daemon é seu subconsciente, é sua criatividade, é de onde vem suas ideias, é o que junta seu repertório cultural e soluciona um problema com uma nova saída. O que iremos ver, ou melhor, re-ver o que você esqueceu de sua infância. “COMO ASSIM? EU NÃO TINHA DEMÔNIOS EM MINHA INFÂNCIA”. Certo, você não tinha demônios ou daemons, isso é apenas uma maneira de separar seu subconsciente para entendê-lo melhor, principalmente depois de uma carga de antropomofismo.

Crianças tendem a brincar com soldadinhos de plástico que guerreiam, morrem, carros de corrida que falam e se esforçam, mesas de chá com coelhos e ursinhos falantes, infinitos amigos imaginários que cuidam, brincam, se preocupam e interagem. E esse fator ‘infantil’ esquecido pode ser realmente útil na hora de criar, fazend0-o com menos limites, mais liberdade, mais ousadia. Só tente não usar essa mentalidade para ir discutir contas no banco, não dará certo.

Assim chegamos no ponto chave, como melhorar e aproveitar esse ‘poder’ esquecido?

1º Passo – Atenção

A base do aprender é ouvir, então você fará isso novamente, mas dessa vez pode ser mais complexo, você deve ouvir a si mesmo. “Eu sei quando estou com fome, eu me ouço.” Certo, vamos tentar aqui aprofundar o que ouve de si mesmo, tente ver seu subconsciente (daemon) como outra pessoa. Se você costuma ignorá-lo, ele deixará de falar com você e se você tem o costume de ouvir, elogiar boas ideias, cortar ideias ruins, agradecer o apoio então ele começara a participar mais e dar melhores soluções, sim, sei que isso parece estranho, mas acredite, realmente funciona.

Para tudo parecer mais real, vamos a um exemplo, se por acaso está pensando em um jogo de tiro em 3a pessoa, pensando em 007 GoldenEye e de repente pensa e se todos os personagens fossem diferentes tipos de macacos, poderiam ter habilidades mais variantes, e ao invés de irem atrás de dinheiro, vão atrás de frutas, que podem ser usadas como balas ou como alimento. Inicialmente poderia pensar que é uma ideia idiota, mas pensando bem, pode ser interessante e diferente. Mesmo que a ideia seja rejeitada, seu subconsciente ‘ficará’ feliz de você ter parado alguns minutos com auto reflexão para imaginar outras possibilidades.

2º Passo – Durma

Depois de se concentrar e prestar atenção, o 2º passo parece realmente fácil. E sim, ele é realmente fácil, (indico que procurem sobre o sono de Salvador Dali). Era um comum pensamento, que o sono servia apenas para o descanso corporal, ainda correto para algumas pessoas, mas o sono serve também para importantes processos mentais que envolvem: classificação, arquivamento, organização de pensamentos. Leve em conta pensar sobre os sonhos também, eles misturam diversas vontades, medos, acontecimentos, pensamentos, e fatores desconhecidos ao redor de nossas vidas, criando uma ‘realidade’ alternativa que apenas com o cérebro tem o poder de sentir, ver, cheirar e ouvir. Pode vir até a usar isto como um mergulho ao subconscientes em busca de respostas e ideias, ou apenas por diversão. (conselho – escreva alguns de seus sonhos ao acordar antes de fazer qualquer coisa, até arrumar seu cabelo bagunçado.)

3º Passo – Escreva

Sim, compensando que o último não é muito trabalhoso, esse tem em parte haver com o anterior se você seguir o conselho dado e dá muito mais trabalho. Em uma sessão de brainstorm acontece muitas anotações de diversas ideias interessantes e loucas, e não seria interessante se fora do brainstorm você também anotasse? Sim, seria, a memória humana é terrível.

Você irá com o tempo montar um acervo de ideias interessantes, irá ouvir com maior frequência seu subconsciente e de quebra fará o mais importante de escrever: LIMPAR a sua mente. Tirar aquela ideia que fica presa aos cantos do cérebro, irá expressar ela, descreve-la dando espaço para que outras ideias apareçam sem que essa fique grudando em tudo.

Da muito trabalho ficar escrevendo sempre, é demorado? Compre um gravador, anote no seu celular pontos chaves, rabisque na última página do caderno desenhos o que está imaginando… Mas seja disciplinado para que realmente exista um acervo interessante, pegue as ideias, separe-as com títulos ou por tipos e estruture melhor elas, desenhe por cima, escute o que gravou e escreva separando tópicos.

4º Passo – Alimente um pouco da gula

Esse passo é bem importante, não só para sua criatividade, é realmente útil para sua vida, é mais uma indicação de cuidado. Sejamos francos, nossa mente tem apetites, alguns altamente primitivos, como nosso corpo também tem e evitarei de citar exemplos sobre isto. Acontece que se você alimenta alguns apetites pode acabar por criar um mostro em si mesmo que irá te engolir, cuidado com o que opta por trabalhar mentalmente. Citarei um exemplo mais simples e menos polêmico aqui. “Sua namorada termina com você em uma traição” isso irá doer muito, você pensará em diversas coisas e provavelmente não conseguirá se concentrar no jogo de aventura que está trabalhando sem que ele seja afetado por isso, sua mente fica obcecada em um pensamento. Você que deu asas a seu subconsciente deve controla-lo mais do que as pessoas que não o fizeram precisam. É possível que a tendência seja de muitos tipos criativos a autodestruição. Então é importante que tenha comida, segurança, saúde, e relacionamentos pessoais; para que você funcione da maneira próxima ao estável, cuidado consigo mesmo.

5º Passo – Calma

E para finalizar, tenha calma, paciência… Sua cabeça não funciona como a produção de um suco de laranja. Você conhece aquelas situações quando a resposta está na ‘ponta da língua’ e você fica refletindo, olhando para longe em busca da resposta, mas ela não vem, mesmo que saiba dela. Veja seu subconsciente trabalhando em outro tempo e realidade, ele provavelmente virá e dirá a resposta horas depois que estava na ‘ponta de sua língua’ sem o menor esforço para você. Não espere respostas imediatistas ‘dele’. Faça a pergunta bem formulada, espere e deixe-o com ela, talvez ele venha com uma rápida resposta, talvez demore semanas ou nem venha nunca. Acredite ele não é onisciente, mas ele sabe bem como brincar com um belo repertório cultural. Logo faça os os passos anteriores até se cansar deles.

Conclusão

 Não quero me adequar aqui à conclusão explicativa, desejo que tirem suas próprias conclusões com algumas das informações aqui adicionadas ao seu repertório cultural, leve em consideração o que achar relevante, seja tudo isto aqui, ou nada daqui,  o  importante é tenha lido os pontos citados, julgue-os,  e cuide de seu daemon ou subconsciente (ou outra visão pessoal) da maneira que achar melhor para seu ‘eu’.

Referências:

Wikipedia

Fotos – Google Images, Deviantart, Weheartit, Scirra.

Livro A Book of Lenses – Jesse Schell

Por Thiago Vignoli

Share this entry

0 Comments

Leave a Comment