Faixa demográfica: qual a diferença?

A lógica que irei apresentar agora serve para diversas áreas da criação desde literatura a cinema, mas focaremos aqui especificamente jogos e como as diferentes idades influem nesta atividade milenar.

Como humanos, sentimos-nos diferentes de todos os outros, e na verdade nos somos sim únicos, cada pessoa em sua individualidade tem características únicas, o que não significa que não tenhamos nada em comum com os outros, temos diferenças, mas principalmente temos semelhanças com outrem , por isso pensando de maneira generalista no sentido de gerar um produto, separamos as pessoas por grupos, que podem ser diversos: Jogadores de futebol, classe social, localização, língua mãe entre outros. Não há uma meio oficial de separar esses grupos, mas duas variáveis são muito dominantes no mercado, e irei levantar uma delas nesse post:

Faixas Etárias:

0-3 anos: Recém Nascidos/ Bebês – Esse grupo não tem muito valor para a maioria dos criadores de jogos, visto que esse público tem diversos limites relacionados a área de jogos, seja coordenação motora, diferenciação de sons, poder de fala, movimentação ou escolha.

4-5 anos: Pré-escolar – Essa idade já começa a nascer o interesse pelos jogos, quase que sempre apresentado por seus pais, visto que eles tem poder para flexibilizar as regras do jogo, além de selecionar o que é adequado para seus filhos, aqui há um esquema de jogar pais e filhos juntos.

6-9 anos: Crianças – Conhecida como a “idade da razão” (idade que vem diminuindo com as gerações seguintes, cada vez as crianças estão mais inteligentes). Nessa faixa as crianças geralmente estão frequentando a escola, capazes de ler, pensar, resolver problemas e interagir socialmente com outras pessoas com maior facilidade. Normalmente essas crianças sentem-se muito motivadas as interagir com jogos,  e conseguem escolher o que gostam ou não gostam, não é mais o que os pais lhes deram e sim o que querem.

10-13: Pré Adolescência – Essa é uma faixa nova de idade, profissionais de marketing começaram a reconhecer esse grupo algo entre as “Crianças” e os “Adolescentes”. Nessa faixa as pessoas já conseguem pensar mais profundamente, há uma grande evolução cerebral neste ponto, o que leva ao nome “idade da abscessão”  devido a várias descobertas sobre si e sua personalidade. Assim pré adolescentes começam a se tornar apaixonados por seus interesses e é muito comum encontrar jogos entre parte deste público, principalmente o masculino.

14-18: Adolescência – Nesse ponto acontece uma gigantesca divergência entre meninos e meninas, com toda a descoberta de si, meninos começam a se encaminhar ou aprofundam em competições, em sentimentos de dominação enquanto meninas se concentram em questões do mundo real, sentimentos relacionados com cuidado e comunicação se tornam muito fortes. Essa faixa faz com que esses jovens queiram experimentar coisas novas, e algumas dessas experiências podem vir por meio de jogos.

19-24: Jovens Adultos – Aqui já há a primeira fase da vida “Adulta” o que marca uma transição importante, onde separam-se muitos características como “vida séria”, “família”, “dinheiro”, “independência, colocando assim diferentes outras preocupações e ocupações para esses “Adultos”. Desta forma, adultos em geral jogam menos, mas também são um público que sabem bem o que gostam ou não, e tem dinheiro para gastar em seus prazeres pessoais, tornando-os possíveis grandes consumidores.

25-34: Novos Adultos – Nessa época 24 horas por dia já não é mais tanto tempo, é mais curto, minutos se tornam mais preciosos. Aqui há muitos jogadores casuais com aparelhos realmente caros e poderosos em seus bolsos, jogam e gastam dinheiro em seus jogos, mas também trabalham bastante e tem responsabilidades ligadas a família, ocasionalmente mostram seus jogos para filhos, sobrinhos entre outros. Ainda dentro dessa faixa há um quantidade grande de pessoas que tem como seu principal hobbie jogar, sendo assim, são grandes influenciadores,  sabem também o que gostam, mas não mudam de opinião facilmente e convencem muita gente de sua visão.

35-59: Velhos adultos – Por aqui já são adultos com carreiras avançadas, já tem filhos há alguns anos e estão mais estáveis com suas vidas. Apesar de uma larga responsabilidade, tem um pouco mais de tempo, mas também menor capacidade de aprender tecnologias novas. É muito comum nessa idade procurarem jogos casuais, ou àqueles que permitem a interação com toda a família e a troca de suas experiências, mesmo que mixando idades (esposa de 40, filho de 8, filho de 16, filha 23).

60+: Idade avançada – Essa idade está começando a se subdividir pelo aumento do tempo de vida das pessoas, mas por enquanto iremos encarar como maior que 50 uma única divisão que tem para si um gigantesco tempo livre e certa dificuldade de movimentação e interações complexas. Aqui os filhos já saíram de casa, vive-se de aposentadoria. Relacionado a jogos, aqui alguns voltam para nostalgia jogando o que lhe davam prazer antes, enquanto outros procuram certas mudanças. Essas pessoas tem pouco contato social e tendem a buscar isto para se sentirem melhor, é muito comum buscarem pessoas da mesma idade para jogos de golfe, tênis, bridge, cartas e até algo mais amplo, esquecendo sua idade e entrando em um mundo virtual como um jogo multiplayer massivo online, um MMO.

Claro, há diversas maneiras de se subdividir grupos pela idade, essa é minha divisão, baseado no que li, vivênciei e aprendi com estudos de livros, empresa e pós graduação. Não é a visão certa, ela ainda não existe, mas é algo que pode-se basear para explorar e evoluir o seu jogo.

É interessante ver que os grupos jovens são separados por desenvolvimento físico e mental, enquanto os mais velhos a separação está na disponibilidade de tempo a caráter social.

E para concluir é bom lembrar que jogos são atividades lúdicas e podem atingir a todas as idades, e você pode citar diferentes pessoas que se enquadram em outros subdivisões, isto é completamente natural, é até uma defensiva para não sentir-se generalizado ou generalizando pessoas. Mas a questão mais importante é que você levantará algo muito forte sentido na infância de todos, então no sentido de se comunicar verdadeiramente com essas pessoas de maneira lúdica, você deve falar o idioma falado na infância.

Referências:

The Art of Game Design: A book of lenses

Imagens – Google Images, Weheartit, Tumblr

– Escrito por Thiago Vignoli